quinta-feira, 20 de julho de 2017

Pedido de colaboração

Olá!

Bem sei que não tenho publicado nada, mas como o tempo não é muito, a prioridade tem sido dar resposta aos e-mails que recebo. E tenho respondido a tod@s :)

Recebi um pedido de divulgação de um estudo. Parece-me muito interessante.
Se puderem, colaborem!

É com estudos como estes que o vaginismo (embora o estudo não seja exclusiva e principalmente sobre o vaginismo) começa a ser mais divulgados e compreendido...

Aqui fica o pedido:

No âmbito da dissertação de Mestrado Integrado em Psicologia Clínica e da Saúde, da Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação da Universidade do Porto, está a ser desenvolvido um estudo com o objetivo de avaliar o papel da Auto-Compaixão, Imagem Corporal e Regulação Emocional na Satisfação Relacional e Sexual de mulheres com Dor Sexual e outras Disfunções Sexuais, sob a orientação do Professor Doutor Pedro Nobre e co-orientação da Doutora Cátia Oliveira.

Para a concretização destes objetivos solicitamos a colaboração de mulheres sexualmente ativas, com ou sem estas dificuldadesmaiores de idade  (idade igual ou superior a 18 anos), que estejam (ou não) numa relação amorosa há 6 meses ou mais, para o preenchimento de um questionário online.

Deste modo, pedimos a colaboração de mulheres:

que apresentem dor sexual:

com outra problemática de natureza sexual:

que não apresentem nenhuma destas dificuldades:

Para participar no estudo deverá escolher o link que melhor corresponda à sua situação atual.

No caso de apresentar mais do que uma das dificuldades previamente apresentadas, por favor selecione aquela que tem um maior impacto no momento presente.

A resposta ao questionário tem a duração média de 30 minutos. Algumas questões podem parecer mais difíceis, mas o seu estudo é importante. Se não tiver a certeza em relação à resposta mais precisa, selecione a que considerar que melhor descreve a sua opinião/experiência.

Considerando o tema do estudo, os questionários são completamente ANÓNIMOS, não sendo pedidos dados que possam identificar as pessoas que a eles respondem.

Caso se interesse em obter informação adicional ou ter acesso aos resultados do estudo, poderá entrar em contacto através do email priscila.acvasconcelos@gmail.com


Obrigada pela sua colaboração!


segunda-feira, 26 de setembro de 2016

Voltei! Voltamos :) Parte II

Após responder a todos os e-mails (acho que nunca escrevi tantas vezes 'desculpa pelo atraso na resposta'...) e a todos os comentários, atrevo-me a dizer que voltei de vez agora!

Vou mesmo manter o blog actualizado.
Até porque há muito que falar. :)

Tive conhecimento de mais dois blogs portugueses que já se encontram na lista de blogs. :)
Até surgiu numa conversa com uma leitora do blog que usar uma essência pode ajudar!
E muitas outras coisas. O que eu aprendo com vocês!
Este tempo que tive 'off' e ao abrir a caixa de correio percebi também que continuamos a precisar muito de ajuda para lidar com a ignorância sobre o vaginismo.

Foi mesmo bom perceber que muitos das meninas cujos e-mails ficaram sem resposta já estão em tratamento e, muitas das vezes, com as 'minhas' psi e fisio maravilhosas :D Tudo isso sem eu dizer nada!

E muitas histórias partilhadas. Umas mais felizes, outras menos.

Obrigada por confiarem em mim e... desculpem mesmo o atraso nas respostas!

Tentei responder a tod@s com o carinho que me merecem, mas se não o fiz, se alguma coisa ficou por dizer, se fui muito rápida na resposta digam, sim? A partir de agora vejo o e-mail todas as semanas.

Fiquem bem e até já!


terça-feira, 1 de dezembro de 2015

Voltei! Voltamos :)

Olá a tod@s!

Desculpem ter desaparecido, mas estive ocupada a gerar um ser humano dentro de mim :)
Se há desculpa boa é esta, não acham?

Conseguimos engravidar e temos um baby lindo que nos enche o coração todos os dias. Acho que foi por ter tanta gente a torcer por nós.

Agora que regresso (ou estou a tentar regressar) não posso deixar de agradecer a tonelada de visualizações, comentários e mensagens. Vou tentar responder a todo@s com todo o carinho. Como tenho a caixa de correio cheia é capaz de demorar, mas vão reclamando se demorar muito, combinado?

Por agora, só queria mesmo partilhar a novidade da gravidez e do nascimento do bebé. Agora somos três cá em casa :)

Até já!

segunda-feira, 15 de setembro de 2014

Ecografia endovaginal

Pronto, era inevitável.

A minha ginecologista adiou o mais possível, mas tive mesmo que fazer uma ecografia endovaginal. A sério, já há o papanicolau, a palpação com os dedos... Não chegava? Eu sei, são exames necessários, etc, etc, mas deixem-me lá desabafar que não acho isto nada bem. Tanto exame esquisito deixa-me por vezes frustrada por ter uma vagina e um útero...

Desabafo à parte, correu bem :)

O médico (sim, não foi a minha ginecologista solidária com a minha situação de ex-vagínica que fez o dito exame) não era lá muito querido, mas foi competente e não me magoou nada. Até porque disse que por eu ter o útero invertido (que mais me há-de acontecer?) a posição em que a sonda da ecografia tem que estar é mais desconfortável. Eu, sinceramente, não senti nenhum desconforto localizado. Só senti desconforto por estar ali naquela posição estranha e pelo médico ser estranho e ainda por cima estar uma assistente na sala a ajudar o médico a fazer anotações...

O procedimento: Estamos lá deitadas naquela cadeira medieval, o médico coloca um preservativo (sim, um preservativo) na sonda ecográfica e pede para quando encostar a sonda à entrada da vagina contrairmos e depois descontrairmos para entrar sem dor (e isso eu faço bem, já toda a gente sabe...). Depois da sonda estar bem lá dentro ele anda lá a ver como está o útero e os ovários e coisas assim... Ainda demora um pouquinho e é um alívio quando finalmente a sonda sai e posso voltar à minha condição de mulher longe daquela cadeira medieval....

Eu hoje estou para reclamar. Desculpem.
Mas, a sério, não custa mesmo nada. Mesmo com o útero invertido como eu :)

Aqui fica uma imagem para verem o que passei ;)



Aproveitem o restinho do Verão! :)

sábado, 3 de maio de 2014

Consulta com a ginecologista - versão 3.0

Voltei! :) :) :)

Depois de ter conseguido responder a todos os e-mails pendentes (que agradeço imenso!!!) resolvi que não passaria de hoje voltar ao blog. 

Se me tiver esquecido de alguém, reclamem, sim? ;)

É que já tenho saudades de escrever.

Antes que perguntem... gravidez nada. Mas continuamos a tentar :)

Tive a minha terceira consulta com a ginecologista. 

O que dizer?
Não custou nada. Não houve ansiedade e nem pensei muito no assunto. Nem antes, nem depois.
Gosto tanto do meu ex-vaginismo :)

Ok, não adoro fazer aqueles exames e ter o espéculo e os dedos da minha ginecologista dentro de mim.

Para não falar, naquela posição estranha e naquela cadeira que mais parece um instrumento de tortura.

Mas nada de dramas. Só desconforto...

Acho que o mais importante em ultrapassar o vaginismo é que, agora, esse desconforto não me causa dúvidas. 
Ou seja, logo após ter conseguido a primeira penetração vaginal todo e qualquer desconforto servia para me fazer duvidar se estaria curada ou não. Agora é bem diferente: todo e qualquer desconforto é atribuído a outra coisa qualquer ou nem sequer é uma questão. 

Uma questão que me colocam frequentemente é se, depois de ultrapassado o vaginismo, as relações com penetração vaginal correm 'normalmente'?

Não sei bem responder a isso. Acho que muitas vezes as penetrações vaginais podem correr de um modo um pouco atribulado (ou porque não se está lubrificada, ou porque o pénis vai demasiado fundo, etc, etc), mas não está relacionado com o vaginismo. Está relacionado com o facto de ser mesmo assim.

As vantagens das ex-vagínicas é que sabem resolver todas essas atribulações :)
Muito treino do pavimento pélvico dá nisso...

Espero que estejam tod@s bem.
Foi bom voltar!


terça-feira, 11 de fevereiro de 2014

Pedido de Colaboração - Dor Sexual Feminina


O Papel da Qualidade da Relação e da Resposta do Parceiro na Dor Sexual Feminina

Encontra-se neste momento a decorrer um estudo online intitulado "O Papel da Qualidade da Relação e da Resposta do Parceiro na Dor Sexual Feminina ", integrado no Projeto de Mestrado em Psicologia Clínica e da Saúde da Mestranda Lisete Ferreira. Inserido no SexLab (Centro de Investigação em Sexualidade Humana), da Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação da Universidade do Porto, este é um estudo que se encontra sob a orientação do Prof. Dr. Pedro Nobre e da Prof. Dra. Cátia Oliveira. 

O presente estudo tem como principal objetivo avaliar as dimensões relacional e sexual na vivência da dor sexual feminina, em casais heterossexuais. Para este fim, solicitamos a participação de casais dos 18 aos 75 anos de idade, em que a mulher apresente um quadro de dor sexual.

Para participar basta seleccionar o respectivo link:

Mulher com dor sexual:

Respetivo companheiro:

Todos os questionários são completamente anónimos, não sendo pedidos dados que possam identificar as pessoas que a eles respondam.

Qualquer tipo de informação adicional poderá ser solicitada através do email lisete.ferreira15@gmail.com.

Agradecemos desde já a sua participação.

Pedido de Colaboração - Dor Sexual Masculina


Pedido de Colaboração – Estudo “Fatores Psicossociais na Dor Sexual Masculina

Neste momento, encontra-se a decorrer um estudo online intitulado “Fatores Psicossociais na Dor Sexual Masculina”, desenvolvido no SexLab – Centro de Investigação em Sexualidade Humana, da Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação da Universidade do Porto, e no âmbito da Dissertação de Mestrado Integrado em Psicologia Clínica e da Saúde de Raquel Pereira, sob a orientação do Prof. Dr. Pedro Nobre e da Prof.ª Dr.ª Cátia Oliveira.

O presente estudo aborda fatores psicossociais que influenciam a vivência da dor, e tem como objetivo contribuir para a compreensão  do perfil psicológico de homens portugueses que apresentem dor sexual. Geralmente, este é um quadro clínico de caráter crónico que afeta significativamente a qualidade de vida do paciente. Apesar de se associar, frequentemente, a uma causa orgânica, há muitos casos em que a dor surge como principal sintoma, associada à disfunção do pavimento pélvico, para os quais prevalece uma menor compreensão do fenómeno e menor eficácia dos tratamentos existentes.

A investigação no âmbito da dor mostra uma evidência crescente da influência de fatores de ordem cognitiva, afetiva e social no âmbito da dor, nomeadamente em contexto sexual. Contudo, não é clara a forma como estes se associam para explicar as caraterísticas e intensidade da dor, ou como a distingue de outras disfunções sexuais. Deste modo, o estudo pretende avaliar o papel das dimensões cognitiva, afetiva, sexual e orgânica, e a forma como estas se associam, para explicar a dor e a sua intensidade no contexto sexual.

Para este estudo, solicitamos a participação de homens maiores de 18 anos:
Ø  Que apresentem dor sexual;
Ø  Com outra problemática de natureza sexual;
Ø  Que não apresentem nenhuma destas dificuldades.
Acrescentamos que os questionários são ANÓNIMOS, sendo garantida total confidencialidade dos dados, usados exclusivamente para fins da investigação.
O acesso ao estudo é possível através do linkhttp://www.fpce.up.pt/limesurvey/index.php?sid=59719&lang=pt
Caso deseje esclarecer algúma dúvida ou partilhar um comentário, envie um email para: arlpereira.RP@gmail.com
Desde já, agradecemos a sua atenção.
Cumprimentos,
Raquel Pereira

quinta-feira, 21 de novembro de 2013

Olá!

Desculpem andar desaparecida, mas ando com muitas coisas para fazer e sem tempo para o blog... :(

O meu maior pedido de desculpas vai para todas as pessoas que me enviaram e-mails e que ainda estão sem resposta. Fica aqui a promessa: nas próximas três semanas respondo a todos. Pro-me-to!!

Como este é um post muito rápido - só mesmo para dizer olá e pedir desculpa! - só posso dizer que tudo vai bem em relação ao vaginismo e que, não, ainda não engravidei. E obrigada por estarem a torcer por nós, mas está difícil!

Logo, logo volto a ser uma blogger mais assídua. Pro-me-to!!